Como vocês todos sabem, (o velho truque de tratar uma notícia nova como se todos já soubessem… para diminuir o impacto, se é que você me entende) sou geneticamente propensa a ter varizes. Sim, e isso está sendo motivo de preocupações de minha parte. Me consulto com especialistas, procuro sites na internet, compro remédios milagrosos no Paraguai (um contrabandinho, convenhamos…) todas essas coisas.

A última moda em remédio preventivo para varizes é um “complemento alimentar” que possui os flavonóides do vinho. Tá, na verdade o rótulo só fala da videira, mas videira, uva, vinho… é tudo a mesma coisa. Então, esse flavonóide é poderosíssimo para reforçar as paredes dos vasos e artérias e mantê-los saudáveis. E é exatamente isso que eu quero para minhas pernas, para que mantenham-se sempre lindas e para que eu não pareça um mapa hidrográfico daqui a alguns anos.

Pois bem, o tal complemento alimentar, um vidro com 30 cápsulas, custa cerca de 70 reais. Calculando que o preço de um bom vinho em Porto Iguaçu é de 20 pesos, 10 reais, eu poderia tomar sete garrafas de vinho por mês com o preço da preciosa fórmula… hummm

Desde ontem estou fazendo meu próprio tratamento. Adotei vinho como acompanhamento no jantar.

E já que vou tomar um vinho, aproveito e exercito meus conhecimentos culinários, afinal o vinho precisa ter um prato a altura. Ontem foi omelete de gorgonzola com champignon. Hoje foi risoto de 7 cereais com abobrinha e pastrami.

Amanhã? Só Deus saberá!